Dor de Cabeça e AVC

A dor de cabeça tensional ou enxaqueca acomete milhares de pessoas diariamente. Estresse, má postura, fome e cansaço são alguns dos fatores que podem desencadear a dor. No entanto existem situações em que a dor de cabeça não deve ser ignorada. Alguns tipos de dor de cabeça podem indicar sinal de um AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Para identificar quais os tipos de dor de cabeça que são mais preocupantes é preciso observar a frequência, o padrão e a evolução da dor, como aquela que não melhora e/ou aparece com freqüência e procurar um médico para um diagnóstico.

As dores de cabeça podem ser classificadas em primárias, quando a dor pode ser definida como o próprio problema. Ela é a doença e não o sintoma, e em secundárias, quando a dor é o sintoma de alguma outra doença, como por exemplo, AVC

Nem todo o derrame se manifesta com dores de cabeça, mas em alguns casos a dor pode ser sintoma de AVC e tem algumas características específicas.

A primeira característica é quando a dor de cabeça é súbita, muito aguda, forte e começa de repente e já com muita intensidade. Ela merece atenção porque pode ser uma ruptura ou distensão de aneurisma cerebral. E quando ocorre essa ruptura é gerado um AVC, ou seja, acontece um extravasamento de sangue do vaso para o tecido cerebral.

A segunda característica é a dor de cabeça que muda de padrão. É uma dor de cabeça incomum, que é diferente daquela dor que aparece com mais freqüência e que a pessoa já está acostumada, pode ser ocasionada por má postura, alimentação ou estresse, mas também pode estar relacionada a um derrame.

Se a dor for acompanhada de outros sintomas como: confusão mental, alteração na visão, dificuldade de fala ou ao caminhar, fraqueza muscular, sonolência, paralisação de um dos lados do corpo, desmaios, entre outros, o melhor a fazer é ir imediatamente para o hospital. Esses são sintomas clássicos de um AVC, mesmo que não haja dor de cabeça, o atendimento médico imediato por salvar vidas e evitar sequelas mais graves.

A fim de evitar um AVC ou derrame o melhor a fazer é eliminar os maus hábitos: Não fumar, não beber em excesso, praticar exercícios físicos, ter uma alimentação saudável, controlar a pressão e o diabetes, não usar drogas e evitar o estresse são medidas que minimizam o problema.

Lembre-se que caso você tenha alguns dos tipos de dor de cabeça citados procure seu médico para um diagnóstico preciso.

Dr. André Gustavo Lima é neurologista, especialista em prevenção de AVC , membro da Academia Brasileira de Neurologia e diretor da clínica NeuroVida.

Fonte: Segs.com.br

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedIn
WhatsApp Fale pelo WhatsApp